Publicado por: Eduardo Wagner | julho 31, 2008

11 Sites e Blogs Sobre Meio Ambiente que Valem a Visita – Em Inglês

Posto aqui uma lista de 11 sites e blogs que constam em meu leitor de Feeds, que considero serem essenciais para quem quer se manter atualizado sobre os temas ambientais sem o ecoxiitismo presentes nas opiniões de websites de algumas ONG´s.  Na listagem há sites sobre aquecimento global, sustentabilidade, paleontologia, biologia, evolução, zoologia, atualidades ambientais, tecnologias verdes e alternativas para quem se preocupa com o meio ambiente e o estado do mundo atual. São todos em inglês, mas em breve farei uma lista de sites em português. Para acessá-lo é só clicar na imagem.

Green Options é uma rede de blogs sobre sustentabilidade, congrega blogs e sites de vários especialistas

Real Climate -Como o próprio nome já diz, é um blog sobre clima feito por climatologistas

Pharyngula – blog de um professor de biologia da Universidade de Minnesota recheado de controvérsias evolutivas e biológicas

Enviromental Graffiti – Ambientalismo para todos

Is it getting warmer? – Aquecimento global é o tema

Tree Hugger – Noticias ambientais e tecnologia limpa

Earth First – Atualidades ambientais e equipamentos ecológicamente corretos

Eco Geek – Energia e tecnologias limpas

World Changing – Voltado para tecnologias limpas e sustentabilidade

Science Blogs – Diretório de blogs de diversas áreas científicas

Ecotality Life – Eco-tenologias e fontes renovaveis de energia


Responses

  1. Conhecia a maioria, mas obrigado pelas dicas… foi de grande valia! Abraço!

  2. Vale a Pena Saber

    Lei transforma Oxigênio Medicinal em Medicamento

    No Brasil, a definição legal de Vigilância Sanitária é consentida pela lei
    federal nº 8.080 de 19 de setembro de 1.990.
    “Entende-se por Vigilância Sanitária um conjunto de ações capaz de
    eliminar, diminuir ou prevenir riscos à saúde e de intervir nos problemas sanitários
    decorrentes do meio ambiente, da produção e circulação de bens e da prestação de
    serviços de interesse da saúde, abrangendo: o controle de bens de consumo que,
    direta ou indiretamente, se relacionem com a saúde, compreendidas todas as
    etapas e processos, da produção ao consumo; e o controle da prestação de
    serviços que se relacionam direta ou indiretamente com a saúde. A Vigilância
    Sanitária de portos,aeroportos e fronteiras não é um dever exclusivo ao S.U.S
    podendo ser executada juntamente com a participação cooperativa da União.(m)”
    Partindo deste principio, a Vigilância Sanitária, no exercício de suas funções,
    fiscaliza ativamente as empresas para garantir a qualidade do oxigênio medicinal
    que chega ao consumidor final. Baseada na RDC (Resolução da Diretoria
    Colegiada da ANVISA) n.º 70, a qual estabelece que os gases medicinais já estão
    inclusos na classificação de medicamentos, a Vigilância Sanitária passou a
    fiscalizá-los como tal.
    A RDC nº 70 estabelece que os fabricantes/envasadores de gases
    medicinais têm um prazo final para a solicitação de Autorização de Funcionamento
    (AFE) na ANVISA até 31.12.2012; porém tanto os fabricantes, quanto os
    distribuidores que realizam o atendimento às empresas da saúde e para o
    consumidor final – todos, sem exceção – precisarão se adaptar às novas regras de
    armazenamento e distribuição de medicamentos, considerando gás medicinal
    como medicamento, com base na RDC n.º 69.
    As empresas descritas acima e também os hospitais e clínicas que já estão
    cadastradas na vigilância sanitária da prefeitura ou estado (CMVS ou CEVS), para
    suas atuais funções, podem ser apenadas com multas ou interdição, caso não
    transportem ou armazenem os gases medicinais de acordo com o conjunto de
    regras aplicados à indústria farmacêutica, as quais, de forma reflexa, são agora
    aplicadas a distribuidores de medicamentos. As empresas ainda não cadastradas
    deverão se cadastrar como fabricante ou distribuidor de medicamentos, para então
    poderem solicitar a AFE na ANVISA e se adequarem a legislação vigente.
    Em acréscimo às novas regras, a partir de 01.01.2013, todos os gases
    medicinais serão controlados por lote, identificação de data de validade e
    fabricação possibilitando sua rastreabilidade, ou seja, o controle exato do local que
    o medicamento se encontra, desde o momento em que o cilindro deixa a indústria
    fabricante até a sua entrega ao usuário final.
    Para o distribuidor de gases medicinais, as exigências são baseadas na
    mesma portaria em que se encontra a fabricação, naquilo que lhe concerne. Tanto
    para o distribuidor quanto para o fabricante se qualificar para o atendimento, são
    necessários armazenamento e transporte corretos para medicamentos; além de um
    farmacêutico responsável treinado e capacitado para tal atividade, fornecimento de
    cilindros com bula do gás medicinal, seu manual de uso e manuseio e por fim o
    número de CMVS ou CEVS e posterior AFE na ANVISA.
    Rotineiramente, a Vigilância Sanitária está fiscalizando as empresas
    distribuidoras de oxigênio e outros gases, clínicas médicas e empresas de home
    care, estabelecendo prazos para a sua correta adequação de utilização e
    comercialização, aplicados a esta nova legislação.
    Estamos vivenciando a cada dia uma nova realidade ética em nosso país e a
    tendência é levar ao consumidor final maiores informações, para que cada vez
    mais os consumidores sejam respeitados e obtenham maior segurança. Por
    conseqüência, seus direitos serão também garantidos.
    Juliana Carvalho
    julianascarvalho@gmail.com
    Fonte: Respirox Comércio de Oxigênio Ltda
    1ª Empresa Cadastrada na Vigilância Sanitária para
    comercializar gases medicinais como medicamento
    Colaborou: Kátia Gualiato

  3. NÃO DEIXE DE SE POSICIONAR FRENTE A ESTA REFLEXÃO INADIÁVEL

    CONAMA – Por que não descentralizar?

    O Conselho Nacional do Meio Ambiente (CONAMA) é um órgão consultivo e deliberativo do Sistema Nacional do Meio Ambiente (SISNAMA), cujo colegiado é representativo (apesar de cada segmento ter uma participação diferenciada em termos da composição global do plenário) de cinco setores: Governo Federal, Governos Estaduais e Municipais, Sociedade Civil Organizada e Setores Empresariais.
    As reuniões são realizadas em Brasília, oportunidade onde os seus mais de cem representantes se deslocam de seus estados para Brasília. A grande maioria inicia o deslocamento na véspera e retorna no dia seguinte à reunião, agregando-se, neste caso, o processo de hospedagem à emissão de bilhetes aéreos para a quase totalidade dos membros de seu plenário.
    Certamente fica a reflexão: porque não descentralizar o CONAMA por regiões geográficas – CONAMA Sul, CONAMA Sudeste, CONAMA Centro-Oeste, CONAMA Norte e CONAMA Nordeste – permitindo que os assuntos sejam deliberados não em um colegiado centralizado, mas sim diretamente nas regiões onde o assunto em pauta se mostra como um ponto a ser debatido.
    A descentralização aumentaria a participação de outras representações no plenário dos CONAMAS Regionais (hoje impossibilitadas de participação dado a limitação do atual CONAMA), minimizaria custos de deslocamento e hospedagem dos conselheiros e, o que nos parece o grande ganho da mudança, permitir a proximidade entre aqueles que decidem (conhecem) e a região onde o problema está sendo analisado (hoje, no CONAMA, conselheiros de regiões totalmente desligadas do problema em discussão, deliberam sobre as temáticas colocadas em votação).
    Esta proposta não é nenhuma novidade, pois o Estado do Espírito – em decisão pioneira no Brasil – há muito descentralizou o seu Conselho Estadual de Meio Ambiente (CONSEMA) em cinco Conselhos Regionais (CONREMAs), deixando para os CONREMAs as decisões específicas ligadas à região de atuação do respectivo CONREMA, deixando para o CONSEMA as deliberações (macro) que envolvem a competência de dois ou mais CONREMAs.
    Outros estados já se adaptaram a mesma filosofia – por exemplo, Minas Gerais – o que mostra que a decisão de descentralização é uma opção que assegura a qualidade das decisões ligadas à temática ambiental.
    Sabemos que esta proposta inevitavelmente irá esbarrar em resistências de interesse de alguns dos atuais membros do CONAMA – apesar de não haver nenhuma restrição legal para que o processo de descentralização ocorra – porém tais posições pessoais não deveriam ser obstáculos à discussão ampla da proposta.
    O CONAMA não acaba; ele se amplia. Ao Conama Central as decisões que envolvam duas ou mais regiões geográficas; aos CONAMAs Regionais as decisões específicas de suas áreas geográficas. Em essência uma aprimoramento efetivo para as ações dos CONAMAs.

    Roosevelt S. Fernandes, M. Sc.

  4. “Então, formou o Senhor Deus ao homem do pó da terra e lhe soprou nas narinas o fôlego de vida, e o homem passou a ser alma vivente” Gn 2. 7
    Ajude a Terra, vc vem dela!

    entre no facebook e ajude o nosso planeta
    curtam a página!!


Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Categorias

%d blogueiros gostam disto: